Exame da OAB – Diferença entre Estudar e Aprender

diferença entre estudar e aprender

É possível “estudar sem aprender” e “aprender sem estudar”?

MIRA Y LÓPEZ (1968) defende a tese que é possível “estudar sem aprender” e “aprender sem estudar”. REZZANO (1987, p.xi) alicerça este mesmo princípio quando associa APRENDER a uma decisão pessoal do aluno: “O sonho dourado de todos os estudantes, de aprender sem estudar, não é um mito: a fixação espontânea de conhecimento se realiza sempre que no ato de aprender intervém o interesse ou a emoção, ou ambos juntos”. Tais afirmativas poderiam ser consideradas polêmicas. Como separar o aprendizado do estudo? Na verdade, o que ocorre é que a mesma palavra comporta diferentes significados. Dito de outra forma, cabe perguntar: O que é estudar? O que é aprender? (Malvezzi, Yara Curvacho – O aluno, o estudar e o aprender – link – consulta 23/05/2015)
 
 

1 – A decisão de Aprender

A palavra decisão está ligada a opção. Quando você pega um livro ou material de estudo a decisão de aprender está em suas mãos. É você quem decide se fará uma leitura fria do material ou se realmente haverá uso do “tutano” para concretar a matéria em seu íntimo. Dessa forma, decidir estudar é mais do que sentar em uma cadeira e abrir um livro, você deve estar pronto para “ENTRAR DE CABEÇA” na matéria.
 
Para BARNES, há duas formas de postar-se diante dos estudos: o estudo aquisitivo e o estudo interativo.
 
No quadro abaixo podemos verificar as principais características de cada opção. E, fazendo a correlação das consequências de cada forma de encarar os estudos, assim como da maneira na qual você vem estudando, você poderá responder se tem feito um Estudo Aquisitivo ou Interativo.
 
 

Comparação entre os modos de estudar (BARNES, 1995)

 

Variáveis

Estudo aquisitivo

Estudo interativo

Postura do aluno

·   Passiva ·   Ativa

Características das informações

·   Conjunto fixo de idéias

·   A informação está pronta

·   Idéias vão se transformando

·   A informação precisa ser processada

Busca do conhecimento

·   Dependente da aquisição

·   Conhecimento gerado a partir de idéias isoladas e proposições desconexas

·   O cérebro está em estado neutro

·   Independente da aquisição

·   Conhecimento gerado a partir de idéias correlacionadas e proposições comparadas

·   O cérebro  está processando

·   Relações são importantes

Tratamento das informações

·   Relações NÃO são importantes

·   Preocupação com fatos e informações

·   Não procura fazer comparações

·   Visão estreita do assunto

·   Preocupação com significados e questionamentos

·   Procura comparar e contrastar

·   Ampla visão do assunto

·   Questiona  as informações

Conseqüências
no aluno

·   Armazena  as informações

·   Ameaçado por novas idéias

·   Medo de ser testado

·   Gera insegurança

·   Novas idéias aguçam o interesse

·   Compreensão ampliada

·   Intrigado com pontos de vistas diferentes

·   Gera segurança

 
 
Não vá na onda daqueles que dizem “estude apenas para passar na OAB”. Estude para APRENDER e COMPREENDER o Direito em si. É importante acertar, mas mais importante ainda é entender o raciocínio que levou aquela resposta, mesmo que você a tenha errado.
 

Aluno e aula são estranhos um ao outro, pois o primeiro se tornou apenas o proprietário de um conjunto de afirmações feitas por outra pessoa” (BARNES, 1995).

 
 

2 – A Emoção

Já foi falado aqui no Blog do Prova da Ordem sobre a Preparação para o Exame da OAB e o prazer em aprender, destacando a importância de se envolver com o processo de aprendizado durante a preparação para o exame de ordem.
 
E, juntamente com a decisão de aprender e uma postura interativa diante dos estudos, ter prazer em aprender é determinante para a fixação do conteúdo estudado e melhor aproveitamento na realização de provas da OAB.
 
Tire da sua cabeça que estudar é chato, pois estudar é uma das melhores coisas que você pode fazer nessa vida. A pessoa que estuda, vive mais e é mais feliz. Tem dúvidas sobre essa afirmação? Confira a pesquisa que aponta que o estudo faz as pessoas mais felizes
 
Alie todos esses conceitos dispostos nesse artigo com a resolução de questões de edições anteriores do exame de ordem e, ao praticar, você poderá acertar ou errar inúmeras vezes, mas é justamente isso que fará você APRENDER. Somente a prática pode demonstrar quais são seus pontos fortes e fracos para que você possa direcionar de forma mais inteligente seus estudos, evitando vacilos que podem comprometer a sua aprovação no Exame da OAB.
 

Que o ato de estudar, no fundo, é uma atitude frente ao mundo (…) não se reduz à relação leitor-livro ou leitor-texto (…) e também é sobretudo pensar a prática e pensar a prática é a maneira de pensar certo” (FREIRE, 1974)

 
Não desperdice mais o seu tempo de estudo sendo um aluno passivo, que esquecerá tudo após a prova. Respire fundo e decida APRENDER!

 
 

Deixe seu Comentário